Olá pescadores de plantão agradeço por passarem aqui no meu Lago dos Sonhos e peço pra que, se possível, vcs deixem comentários sobre os textos, afinal sem eles naum terá como eu saber se estão ou não gostando do blog.


Também se puderem, deixem seu e-mail para q eu possa agradecer os comentários e a visita.


Bjus e espero que gostem


ASS: Pescador de Sonhos



domingo, 19 de abril de 2009

Auto-antropofagia

(este poema é para aqueles que se maquiam e se mascaram escondendo o que na verdade são, ou seja a todos os seres humanos)




Duas pessoas dentro de um corpo
A que eu sou e a que eu quero ser

Enquanto esta eu conheço bem, pois moldo ao meu favor
E é a que você vê, já que a mostro explicitamente

Aquela ninguém nunca viu, uma vez que nunca a mostrei
E nem mesmo eu nunca vi, porque já a escondi de mim mesmo

Sofro esta luta interna
Meu corpo é um terreiro para rinchas de galo

No fim a que eu quero ser
É a vencedora final

Mas aquilo que eu sou
Está guardado dentro de mim, como fera enjaulada

E quando as grades enferrujarem
Até eu temo em nisso pensar

Não sei o que será daquilo que eu quero ser
Acho até que vou me auto-antropofagiar

Um comentário:

Anônimo disse...

Dolorosa e eterna incongruência do ser, jovem escritor! Seu texto demonstra isso claramente. Mas será que, ao "autoantropofagiarmos", conteremos nosso eu-oculto? Ou será que o alimentaremos?
Beijinho pro cê!

Meu lobinho estah com fome de um bife para ele.