Olá pescadores de plantão agradeço por passarem aqui no meu Lago dos Sonhos e peço pra que, se possível, vcs deixem comentários sobre os textos, afinal sem eles naum terá como eu saber se estão ou não gostando do blog.


Também se puderem, deixem seu e-mail para q eu possa agradecer os comentários e a visita.


Bjus e espero que gostem


ASS: Pescador de Sonhos



sexta-feira, 28 de março de 2008

Os ingredientes da felicidade

São inúmeras as causas da alegria, são tantas que algumas passam por despercebido durante o dia-a-dia. Mas alegrem-se, eu estou aqui para ajudá-los a perceber.
Aqui vai uma listagem de todas, ou quase todas, as pequenas causas da alegria:
Primeiramente, deixar de ficar triste já é uma causa de alegria; descobrir que o seu celular tem três reais em crédito, quando você pensava que já havia acabado; a energia elétrica voltar bem quando está começando a novela; comer um X-tudo bem caprichado; acordar de bem com a vida; até acordar pode deixar alegre; um sorriso de alguém; um abraço de bom dia; um beijinho de boa noite; um cobertor quentinho no inverno; ver alguém feliz, inclusive crianças felizes; além de que só o fato de termos esta lista em mãos, já nos deixará felizes.
Por isso, agora que conhecemos algumas das causas da alegria, vamos utilizá-las para preencher todas as vinte e quatro horas dos nossos dias, pois alegres viveremos bem.

terça-feira, 25 de março de 2008

Uma Jornada Para a Vida - Última Parte: O Dia da Fusão

Trinta e cinco luas para a Cerimônia da Fusão, durante trinta e cinco luas sendo torturados. Nossos cinco jovens contavam as horas para a união das duas dimensões. Porém, o mais curioso era o fato de que um soberano que cobiçava o poder e a dor dos outros estava também contando o tempo para realizar a cerimônia que daria todos os privilégios a ele e a mais ninguém.
Qual o porquê desta espera? Era a pergunta feita mentalmente pelos nossos amigos.
A cada chicotada que levavam, lembravam do quão enganados foram, enganados por Serena, enganados por Celeste, enganados até por eles mesmo e pela esperança de voltarem a vida.
A cada hora que se passava as lembranças da dimensão natal vinham a tona, os finais de semana badalados, as diversões das horas vagas, os passeios no zoológico local, os momentos que estavam juntos, o sorvete repartido em cinco, a última semana na escola, em pensar que Marcos não queria andar de montanha russa, se tivessem escutado o pessimismo talvez não teriam passado por estes momentos. Mas se não tivessem ido no brinquedo talvez não partilhariam da amizade que naquele momento era enorme, não acreditariam tanto uns nos outros como agora acreditam, poderiam até se separar para sempre, mas não se separaram. Ficaram juntos nas horas ruins, ficaram juntos nas horas boas, estavam juntos naquela hora difícil, até repartiam o mesmo calabouço e isso foi o maior erro de Dom Mortis.
_Já se passaram dois dias_ Marcos quebra o gelo daquela noite escura.
_Dois dias_ John diz melancolicamente algo para não deixar o amigo falando sozinho.
_Cinco dias para a Fusão, e não fizemos nada a respeito.
Após o deboche de Helena, Roni retruca:
_Fazer o que? Nós já perdemos. Dom Mortis não disse para vocês? Não há como sair deste mundo, não existe a Jornada.
_Se não existe, por que esperamos a mesma? Por que esperar os dias da Jornada acabar se ela nem começou?_ Clarisse fala alto como se quisesse que Dom Mortis ouvisse.
_Concordo com você Clarisse, aliás, eu venho me perguntando isso durante essas dez luas_ John toma a palavra_ E não somos só nós dois, aposto que todos estavam pensando nisso. Se aquele ordinário já tem poder o bastante para unir os dois mundos por que não o faz?
_Será que a Jornada existe ainda?
_Lógico que não seus idiotas, a Jornada acabou, não há mais meio para sairmos daqui, nunca houve_ Roni fala com a dor no peito de ter sido fortemente enganado, de ter quase chegado a sua terra natal.
_Cale a boca Roni, com certeza há meios para sairmos daqui, senão Dom Mortis também não poderia sair, ele também foi como a gente_ diz Marcos.
_Isso também é verdade, se ele pode, nós também poderemos_ Helena diz concordando com Marcos.
_Então ta, supondo que a Jornada não é uma farsa, o que temos que fazer para terminar a última prova?_ Roni diz não aceitando a idéia de que ainda tinham chances.
_Segundo Serena, ou Celeste temos que matar Dom Mortis_ Clarisse responde.
_E vocês acham que podemos fazer isso, primeiro não temos nossas armas, segundo ele tem poder para unir duas dimensões paralelas e por fim ele é imortal_ Roni debocha.
_Imortal? Se ele fosse imortal não estaria tirando a vitalidade das almas que padecem neste mundo. E quanto as armas não tenho muita certeza se realmente perdemos_ diz Marcos
_Como assim não tem certeza? Você viu com seus próprios olhos elas se esfarelando_ Clarisse discorda.
_Exatamente, mas não eram as relíquias que tinham o poder e sim os meteoritos vindos das luas que deram origem ao poder_ Marcos esclarece.
_Você pode estar certo, porém vamos esperar mais vinte e cinco luas para termos certeza disso_ John declara bolando um plano para o Dia da Fusão.
_Por que só neste dia? Se podemos fazer algo por que não fazemos agora?
_Simples: nestes dias, antes da Cerimônia, há vários monstros guardando a prisão, porém no último dia em que Imaginação e Realidade deixarão de ser distintas ele precisará destes monstros para começar a aterrorizar o outro mundo, e é neste intervalo de tempo que devemos agir.
Após aquele dia, nossos guerreiros fingiram a dor e a agonia, durante todas as vinte e cinco luas. Quando chegou o último dia da Jornada a frieza do calabouço parecia ter cessado, não dava mais para sentir a presença dos espíritos que guardavam a prisão, com certeza a Cerimônia da Fusão estava começando.
Quando se passasse da meia noite, ou melhor, quando as luas se alinhasse no céu, de cada uma das dimensões se veria a outra se aproximando a cada minuto que se passava até colidirem e magicamente se fundirem.
Chega a noite, a lua de Chamarion é a primeira a aparecer no céu, atrás dela vem Térreon, Ventis, Aquarion e Mundus e com elas o principio do plano de John.
Antes de tudo eles tinham que conseguir suas armas e como ordem do chefe do grupo eles invocaram o nome de sua lua protetora, cada uma delas lançou uma luz extremamente forte na direção dos cinco e com ela veio o poder de cada um.
Roni ainda não acreditando quis testar se era verdade e apontando para as grades feitas do mais resistente aço fez com que as mesmas se derretessem rapidamente.
_Agora você acredita que ainda temos chances?
_Acredito que temos poderes, mas matar Dom Mortis será impossível.
Foram subindo as escadas e afugentando os espíritos que ainda estavam guardando as prisões, após subirem todos os degraus, os cinco jovens se deparam com o ser mais falso e ilusório daquele castelo. E este era Serena.
_Vejo que ainda vocês têm esperança quase mortos tolos, não sei como arrumam sabendo que tudo será de Dom Mortis_ debocha Serena.
_Dei-nos licença Serena. Celeste. Vem cá, qual o seu verdadeiro nome?_ Marcos diz já acostumado com a idéia de que aquela fada os traiu.
_Meu nome não é importante no momento, agora as suas mortes completas serão decretadas agora.
_Se é o que você pensa.
Os cinco jovens foram com tudo para cima de Serena. A fada decaída ficou impressionada quando viu que os poderes dos nossos guerreiros tinham voltado e mais forte do que antes, mesmo não tendo as armas, a energia que emanavam deles era até maior que as suas, sendo assim foi derrotada rapidamente.
Quando ela caiu no chão tomou a forma de Celeste e nessa forma disse docemente e em pausas:
_Era isso que eu esperava de vocês meus jovens guerreiros, agora vão e destrua Dom Mortis, mas lhes digo: se caso a Cerimônia começar não poderá ser revertida a situação, se os dois mundos se fundirem nem com Dom Mortis morto eles se separaram.
Aquela notícia foi meio duvidosa para os cinco, porém era a pura verdade, mesmo vinda de alguém que não merecia confiança o que seria feito nem os magos mais poderosos poderiam mudar.
Sem dar muita atenção a fada, contudo ainda tendo a imagem da boa Celeste, eles seguiram para fora do castelo e lá encontraram o Soberano do Mundo das Cinco Luas no centro de um círculo com o desenho de duas circunferências que pareciam estar se movendo uma de encontro à outra.
As luas estavam se alinhando e o tempo para acabar o ritual estava acabando. Dom Mortis usou o seu poder para criar um clone, pois se saísse de onde estava quebraria o ritual que já havia começado.
_Com apenas essa cópia eu posso destruir vocês.
_Uma já nos subestimou, não cometa o mesmo erro ou será banido antes que comecemos a luta.
Marcos, após sua fala, corre em direção ao clone de Dom Mortis, porém quando chegou perto da cópia se afundou no chão do castelo e saiu do outro lado quase chegando no Soberano de verdade, porém invisivelmente uma barreira impediu o ataque de Marcos, tanto subterraneamente quanto fora do solo.
_Não há maneiras de me atacar, em volta de mim existe uma barreira que impede entrada e saída de qualquer coisa.
Nisso Roni manda uma flecha de fogo no clone, que desvia, porém ainda recebeu uma queimadura de leve em seu ombro e no mesmo instante o ombro de Dom Mortis se queima no mesmo local de seu clone.
_O quê? Como isso aconteceu?_ diz Dom Mortis quase se desconcentrando do ritual.
_Parece que tudo o que acontece com esta cópia, acontecerá a mesma coisa com o demônio.
_E nem mesmo quem realizou o feitiço sabia sobre disso_ Clarisse diz criando um temporal de vento, trovão e muita chuva.
Quando os primeiros pingos caíram, Helena e Roni começaram a atacar a cópia e exatamente todos os ataques sofridos pela mesma, Dom Mortis sentia como se fosse nele mesmo.
John fez com que todos os poderes do cinco se reunissem num só criando uma única energia que ao ser lançada, dissolveu Dom Mortis e sua cópia, com todo o terror que ele havia criado naquele mundo de esperança. Porém, no mesmo instante em que as luas se alinharam, e com isso, mesmo com a morte do Demônio Quase Morto, foi aberto o portal dimensional unindo as duas dimensões não em fusão, mas sim com um portal que se abre de dez em dez anos, pois a Cerimônia mesmo não terminada teve um breve começo e como Celeste havia dito, o que foi feito nunca mais morreria.
E é por isso que comemoramos o Dia da Fusão de dez em dez anos, pois neste dia lembramos dos cinco heróis que salvaram as duas dimensões do Tirano Dom Mortis.
_E esses heróis, professor Marcos? O que aconteceram com eles?
Uns dizem que ficaram no Mundo das Cinco Luas como governantes, outros dizem que eles vivem entre nós como cidadãos normais, mas o que todo mundo sabe é que em algum lugar das duas dimensões eles estão vivos, sempre amigos e ajudando sempre quem precisa.

sexta-feira, 14 de março de 2008

O Admirador Secreto

Sou aquele que te ama e te tem paixão
Sou somente um escravo deste amor
Sou a vida que é morte, que é dor
Sem você perto do meu coração

Sou aquele que foge da tua visão
Sou aquele que por ti sente um ardor
Quem foge da vontade do Senhor
Alguém que quer unir nossa emoção

Se acaso me perguntar quem eu sou
Não responderei de modo direto
Contudo responder assim eu vou:

Sou aquele que não julga ser o certo
Por esconder na verdade quem sou
Alguém que é teu admirador secreto

Meu lobinho estah com fome de um bife para ele.